Fotopoemas – Silvia Carvão

Lampejos

Bolinhas de naftalina
cheiro azedo na memória
Não quero mais
tirar a sorte no realejo
quero
o laranja da tarde
lampejando
agoras

Fogueira

Não me masturbe com ideias opacas
minha cabeça é um zoológico
sem jaulas

Não me roube dias de idílio
quero o fogo crepitando
depois do sarro

Não me tire o favo do desejo
quero prender em tua boca
minha desordem escarlate
cruzar os dedos em prece
e sussurrar teu nome
em vãos

Paisagem vermelha

para Jan Wiegers

Vermelho das árvores
tinge a paisagem
como labaredas
Amsterdam
cadê as bicicletas?
Pedalo meus medos
entre folhas nervosas
mas não encontro sinais
de um caminho

Na caixa torácica a saudade
vai crescendo subindo

porque ao longe os pássaros cantam

Sopros da Infância

Remexo com gravetos a memória
e a infância se acende
Jogando amarelinha
acerto no céu
Mamãe, posso ir,
quantos passos?

Pulo no tempo seguindo os sinais
do meu corpo
Olhando no espelho
vejo a maçã
mas a bruxa já vai longe
e agora na janela
não há príncipes
nem sapos
só meu desejo
(esta varinha de condão)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Revista eletrônica de arte contemporânea

Crie seu site com o WordPress.com
Comece agora
%d blogueiros gostam disto: